Proteção de florestas tem promessa de US$ 12 bi

Verba deverá vir de governos de países ricos e da iniciativa privada para proteção de florestas. Acordo de redução de desmatamento, anunciado
na COP26, foi assinado por mais de 130 países, incluindo o Brasil

O compromisso político para parar o desmatamento e reverter a degradação florestal em 2030, que envolve quase US$
12 bilhões, 114 países e perto de 90% das florestas mundiais, está sendo considerado um dos grandes êxitos da
Conferência sobre Mudanças Climáticas da ONU, a COP26, em Glasgow.

O acordo político foi costurado pelo governo britânico. EUA, China, União Europeia, Brasil e Indonésia estão entre os que
assinaram o compromisso de proteção de florestas, baseado num mix de recursos públicos e privados.

“Este é um encontro histórico que resulta na mobilização de recursos para a proteção de florestas ao redor do mundo”,
celebrou o presidente da Colômbia, Iván Duque. Ele anunciou que o país não esperará até 2030 para cumprir a meta da
Convenção de Biodiversidade de ter 30% do território convertido em área de proteção. “Faremos isso em 2022”,
prometeu, adiantando que está criando uma estratégia de conservação para a Amazônia.

O vice-ministro de Meio Ambiente da Alemanha Jochen Flasbarth, resumiu o desafio global em relação às florestas:
“Temos de reduzir a degradação, parar o desmatamento e investir em restauração e regeneração”.

“É impossível exagerar a importância das florestas para o clima. Sem os grandes biomas, que estão sob ameaça, não
temos chance de limitar o aquecimento a 1,5ºC, nem de atingir a meta de net-zero e enfrentar a mudança do clima”,
disse o ministro britânico do Meio Ambiente, Zac Goldsmith.

“Qualquer caminho que não inclua a natureza é um caminho questionável”, afirmou. “Enquanto falamos, a devastação
continua a uma taxa assustadora. Perdemos 30 campos de futebol de florestas a cada minuto”, seguiu. “Reverter o
desmatamento é, sem dúvida, um dos grandes desafios que temos”.

Segundo ele, a soma combinada dos compromissos (financeiros para a iniciativa) “é genuinamente significativa e
representa um ponto de virada para as florestas”.

Boa parte dos recursos virá da filantropia e da Coalizão Leaf, lançada neste ano por Reino Unido, Alemanha, Noruega e
um grupo de grandes empresas globais para proteger as florestas tropicais.

Essas fontes contribuem com recursos de US$ 7,2 bilhões. Outro acordo mira ajudar países da bacia do Congo, na
África. A soma dos compromissos é de mais de US$ 1,5 bilhão. “É uma das mais importantes regiões do mundo em
biodiversidade”, disse Goldsmith.

“Também temos importantes compromissos para aumentar o apoio a países ambiciosos na proteção da Amazônia. O
Reino Unido se comprometeu com 300 milhões de libras [cerca de US$ 400 milhões] para apoiar os melhores esforços
na Amazônia, tomando por base a liderança que vimos na Colômbia”, seguiu.

Uma parte dos recursos será destinada aos povos indígenas – cerca de US$ 2 bilhões. “Não só por uma questão de
justiça, mas também porque o apoio a povos indígenas e comunidades é provavelmente a maneira mais custo-efetiva e
mais eficiente de proteger o ecossistema. Eles estão fazendo isso há gerações”, seguiu o ministro.

Goldsmith também disse que há mais US$ 1 bilhão para um novo programa da Coalizão Leaf, por meio de mercados de
carbono. “Este pacote de apoio às florestas é significativo, sem sombra de dúvida, mas temos que reconhecer que os
incentivos para destruir as florestas são 40 vezes maiores do que os incentivos para protegê-las.”

Mencionou ainda um esforço de 28 países que buscam promover uma “transformação sistêmica” entre países
produtores e consumidores. A intenção é “romper a conexão entre a produção de commodities agrícolas e o
desmatamento, como o Reino Unido está fazendo, via legislação. Estes países representam 3/4 desse comércio”.

Ainda ontem, o Brasil assinou em Glasgow, com outros 104 países, uma Declaração sobre Florestas em que se
compromete a “parar e reverter” a perda florestal no mundo até 2030. Mas especialistas ambientais qualificaram a
posição brasileira de vaga e contraditória.

“Dizer que o seu objetivo é entregar o governo com o desmatamento 16% maior do que quando você assumiu não é
um plano, é uma confissão de culpa”, diz Marcio Astrini, secretário-executivo da ONG Observatório do Clima. “Este é o
terceiro plano de combate ao desmatamento que o governo Bolsonaro publica depois de ter revogado a política que
funcionava, o Plano de Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia (PPCDAm). Nenhum deles contém o
elemento fundamental, que é de fato combater o desmatamento”.

Noticia publicada em 03/11/2021 no Valor: www.valor.com